CIRURGIAS REPARADORAS

LESÕES DE PELE

Os tumores cutâneos, que são acumulações anormais de diferentes tipos de células, podem ser de nascença ou adquiridos. Quando o crescimento é controlado e as células não se espalham para outras partes do corpo, estas formações cutâneas (tumores) são não cancerosas (benignas).
Quando o crescimento é descontrolado e as células invadem tecido normal e, além disso, se espalham (formam metástases) a outras partes do corpo, os tumores são cancerosos (malignos).


CICATRIZES E QUELÓIDES



Fazer a tão sonhada cirurgia plástica e apresentar no pós-operatório uma cicatriz larga ou um quelóide não é nada bom. Estas lesões podem surgir a qualquer momento, após um trauma por acidente ou uma cirurgia, e não dependem se a paciente nunca teve quelóides. Saiba que a genética nestes casos é implacável: se seus pais ou irmãos apresentam quelóides, você é um(a) candidato(a) em potencial. Bem, nem tudo está perdido. Se você, infelizmente, apresenta um quelóide, saiba que dispomos de diversas terapias para melhorar seu aspecto. Os fatores que predispõem à formação de quelóides e cicatrizes alargadas são parecidos. Tensão excessiva nas feridas, lesões dispostas em posição menos favorável, introdução de material estranho na pele e queimaduras constituem os principais fatores. Certas áreas do corpo como a região esternal, ombros, dorso, queixo e porção inferior das pernas, apresentam maior risco de aparecimento destas lesões. A maioria dos quelóides surge até um ano após o trauma local. Pessoas orientais, morenas ou de raça negra, são mais afetadas. Pacientes com idade entre 10 e 30 anos desenvolvem lesões com maior frequência do que as crianças e adultos mais velhos.


RECONSTRUÇÃO DE MAMAS


Muitos mitos e medos cercam este assunto, uma vez que o câncer de mama é um tema muito delicado para muitas mulheres, seus familiares e a sociedade em geral, embora grandes avanços tenham sido alcançados na compreensão desta doença.
Segundo tipo mais frequente no mundo, o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres, respondendo por 22% dos casos novos a cada ano. Se diagnosticado e tratado oportunamente, o prognóstico é muito bom.
Para os casos das mulheres que, infelizmente, foram surpreendidas com este problema, não há outra forma se não encará-lo de frente. São necessárias muitas vezes além da cirurgia, sessões complementares de quimioterapia e radioterapia. É uma caminhada dura e difícil que pode ser aliviada com a ajuda de um acompanhamento multiprofissional, mastologistas, radioterapeutas, oncologistas, psicólogos, enfermeiros, fisioterapeutas e o cirurgião plástico podem minimizar muitas dores.
Temos hoje a possibilidade de realizarmos a reconstrução da mama, uma ótima opção para melhorar a qualidade de vida de uma mulher submetida à mastectomia (retirada da mama). Ela reduz o impacto físico e emocional e repara a mutilação da mastectomia, restaurando a forma e o volume da mama retirada. Isto preserva a autoimagem da paciente e contribui para uma recuperação psicossocial mais adequada.
A preocupação constante que temos com nossas pacientes nos fez desenvolver esta sessão no site para propiciar uma melhor qualidade de vida para quem está passando por esta situação tão delicada. Aqui, além de encontrar informações técnicas sobre a reconstrução das mamas, você tem a oportunidade de descobrir as perguntas e respostas mais comuns feitas pelas pacientes que estão passando pelo problema.
Para a mulher, a mama é um órgão carregado de simbologia afetiva. O medo da perda deste símbolo pela mastectomia projeta a fantasia de outras perdas como: a feminilidade, a identidade feminina e a sexualidade, elementos fundamentais para o bem estar da mulher. Mantenha a serenidade, fé e a coragem para enfrentar este momento tão especial e aconteça o que acontecer, nunca deixe de ser quem realmente é.


TRAUMAS E QUEIMADURAS


Sofrer um acidente não é fácil para ninguém. Passamos por um stress muito grande e, às vezes, evoluímos com sequelas graves. Frequentemente, a energia envolvida no acidente é tamanha que parte da pele, gordura e músculos podem ser perdidos. Traumas com queimaduras também são outro problema, principalmente entre as crianças. A maioria dos casos é de grau leve, 1º grau e 2º grau superficial, mas em algumas situações mais graves, as queimaduras podem ser mais profundas, 2º grau profundo e 3º grau. Nestes casos, uma cirurgia pode ser necessária. Independente de qualquer trauma sofrido, o acompanhamento com profissional especializado é fundamental.